Quero receber
o LordCão News

 

LordCão News - Artigos interessantes

voltar

Qual a melhor correção para o seu cachorro

Por Claudia Pizzolatto



Antigamente educar crianças era sinônimo de castigar quando ela fazia alguma coisa errada. Não faz muito tempo que a palmatória era usada nas escolas ou então uma criança mal comportada era colocada virada para a parede vestindo um chapéu de burro.

Estes são apenas alguns exemplos de castigos que eram usados com o objetivo de “educar” as crianças. Felizmente a violência física, ou moral são hoje métodos ultrapassados e não mais usados. No entanto parece que a educação dos cães estacionou nesta época.

Hoje em dia muitos donos de cães e até treinadores, que são os educadores dos cães, ainda utilizam métodos violentos como uma maneira de ensinar as coisas certas para os peludos. É comum vermos como chamariz nos anúncios de treinadores a frase “Treinamento Sem Castigo”, mas isso muitas vezes não quer dizer sem punições físicas.

Existem donos e treinadores que nem se dão a este trabalho. Punem logo o cachorro, as vezes de forma totalmente desproporcional.

Certa vez fomos procurados por um dono que queria sacrificar seu labrador, pois este se tornara “louco”. Tudo começou com uma mania chata, porém natural para os cães, de cheirar as partes íntimas das pessoas, de forma, digamos, insistente e contundente.

A dona, totalmente constrangida como o hábito de seu labrador procurou a indicação de um treinador para corrigir o problema. O treinador pediu então para ser deixado a sós com o peludo para ganhar a confiança dele. Um belo dia, a mãe da dona do cão chegou na casa da filha e se deparou com a cena do treinador em cima do muro, sufocando o cachorro até ele desmaiar, suspendendo o pobre animal do chão pelo enforcador.

A senhora pediu que ele parasse imediatamente e se explicasse. O treinador falou que estava apenas ensinando para o cachorro quem é que mandava, e que o problema todo era por que os donos não sabiam se impor. Pois bem, o cachorro passou a atacar qualquer pessoa que tentasse segurá-lo pela coleira ou pelo enforcador, inclusive mandando duas pessoas adultas para o hospital.

Notem que não estamos aqui falando de maus profissionais, afinal eles existem em qualquer profissão, mas na verdade estamos falando de uma “técnica de punição” ainda muito usada por profissionais e donos.

A primeira questão que nos vem a cabeça é: E estes métodos funcionam?

A segunda questão é: E estes são os melhores métodos? Ou ainda, eles são necessários?

A resposta da primeira é: Infelizmente às vezes funciona (até por isso foram disseminadas por tanto tempo, por tanta gente).

A resposta da segunda é: Felizmente, absolutamente não!

É fato que hoje em dia, tanto para as crianças quanto para os cães, o método de reforço positivo é o que dá melhores resultados quando se deseja mudar o comportamento. Falando de forma bastante simplificada, neste método o treinador/educador provoca o cachorro a fazer a coisa certa e então o recompensa com muito carinho, comida, ou qualquer outra coisa que o agrade bastante. O objetivo é fazer ele associar o comportamento desejado com a recompensa recebida. É claro que correções também são aplicadas, mas não devemos confundir castigo/punição com correção.

Um castigo, de acordo com a definição do dicionário, é “uma pena que se aflige a um culpado; punição”. A definição de correção é “dar a forma correta a; endireitar”. Por estas definições pode-se inferir que um castigo é algo mais violento, mais forte, e uma correção é mais uma orientação, uma sugestão de mudança de rumo.

Todo processo de mudança comportamental de um cachorro é nada mais do que corrigir os hábitos errados e reforçar os hábitos corretos. Por exemplo, se um cachorro implora comida quando as pessoas estão jantando, não se deve trancá-lo na varanda, isto não estará ensinando nada a ele. Deve-se, sim, despender algum tempo corrigindo-o quando pede comida, e recompensando-o quando fica deitado quietinho ao lado da mesa. Como fazer isto? Bem, existem várias maneiras, mas este não é o tema deste Lord Cão News! Queremos aqui é discutir a necessidade de punições físicas para se ensinar um cachorro e qual a melhor maneira de corrigi-lo quando a situação fica realmente preocupante.

Bem, vamos ver se você acerta a resposta da nossa pergunta:

“Quando o seu cachorro tenta te morder (que situação poderia ser pior do que isso?), qual é melhor maneira de ensinar-lhe uma lição?”
a - Bater
b - Ignorar
c - Deixar sem comer
d - Deixar preso na corrente
e - Nenhuma das respostas acima

SUSPENSE!!!!! TCHAN TCHAN TCHAN......

ACERTOU QUEM….RESPONDEU….A

LETRA “E – nenhuma das respostas acima” !!!

Leia mais um pouco que você vai descobrir por que, mas antes precisamos falar um pouco sobre o comportamento dos cães.

Como a maioria de vocês já deve saber um cachorro é um animal social. Eles têm o instinto de vida em grupo e tem suas próprias regras de convívio social. Em uma matilha há uma rígida hierarquia onde há um só líder, e os outros estão em uma escala em que não há ninguém igual ao outro. Ou se é mais forte ou mais fraco que algum outro cachorro. Nenhum cachorro é igual ao outro na escala de poder.

Para os cães a vida em sociedade é a coisa mais importante que eles podem ter. Em grupo eles podem se defender dos perigos, achar comida, acasalar, procriar, etc. Sozinhos eles provavelmente vão morrer mais cedo e não perpetuar a espécie. É normal dentro de uma matilha que ocasionalmente haja brigas e disputas de poder, mas se um cachorro infringir as regras de sua matilha ele poderá ser expulso e se tornar um proscrito.

Então, para quem está curioso sobre a resposta da nossa pergunta, aí está a melhor maneira de se ensinar uma lição para o cachorro que tenta morder seus donos:
SER ISOLADO DA SUA MATILHA!!!

Bem, o que isto tem a ver com a gente? Afinal, a maioria dos donos de cães não tem uma matilha em casa, mas apenas um lindo peludinho.... Acontece que os cães enxergam o mundo com olhos de cachorro, e mesmo que não haja outros cães na casa eles consideram os donos como parte da sua matilha.

Então aí nós chegamos aonde queríamos: quando você isola o seu cachorro do convívio da sua família, seja trancando-o na varanda, na área de serviço, ou em qualquer outro lugar, enquanto os humanos estão convivendo em outro ambiente da casa você está aplicando, consciente ou inconscientemente, o pior “castigo” para ele!

No caso do peludo ser malcriado e desaforado o bastante para morder o próprio dono, fazer com que ele acredite que será proscrito pela sua família humana é uma correção bastante contundente e eficaz. Se logo após a mordida o cachorro for isolado em algum lugar, e associado a isso a família inteira der um grande “gelo” nele por uns 3 dias, o meliante vai pensar duas vezes antes de cometer o mesmo erro.

Mas veja bem: como esta é uma correção muito severa e valiosa, é importante preservá-la para quando o cachorro comete um erro de convívio social muito grande, como morder alguém da família. Neste caso deve-se pegar o cachorro e trancá-lo em um banheirinho, ou outro lugar pequeno e sem nenhum divertimento por 20 minutos. Durante este período todos da casa devem fazer barulho, conversar, e deixar claro para o cachorro que o resto da matilha está se divertindo bastante.

Depois deste tempo, se o cachorro estiver quieto, deve-se soltar o cachorro do banheiro, e todos da casa devem ignorá-lo solenemente por algumas horas, às vezes alguns dias. É importantíssimo que ninguém fale com ele, toque nele, dê um brinquedo, ou tenha qualquer interação com ele. Lembre-se que o que se quer é que ele se sinta um proscrito, e que toda a matilha está isolando-o da sua convivência.

Embora só o isolamento não baste como terapia para a total mudança de comportamento deste cachorrinho, este é sem dúvida um grande aliado dos donos, que não incita uma reação violenta por parte do animal, que não exige técnicas apuradas, e que se for aplicada da maneira correta, tem um efeito moral inigualável no cão dominante.

Infelizmente muita gente aplica esta correção inconscientemente. Isto pode ocorrer quando os donos não desejam que os cães habitem na parte social da casa, pois soltam pêlos, fazem xixi, etc. e os isolam em algum canto. Ou então quando os deixam dormir sozinhos em algum lugar da casa e os donos já passam o dia todo fora. Ou sempre que chega uma visita e o cachorro fica preso no canil. Ou quando se mora em uma casa e o cachorro é deixado apenas no quintal, passando quase que a totalidade do tempo sozinho, sem a companhia dos donos. Na verdade existem muitas situações em que o cachorro fica isolado da sua “matilha”. Vale a pena você pensar um pouco e ver em que situações o seu peludo fica isolado de vocês.

As conseqüências de um cachorro isolado da sua família constantemente podem ser muitas e variadas. A mais comum é o cachorro começar a se “auto-isolar”, isto é, ficar cada vez mais distante da matilha e não sentir prazer em conviver com as pessoas da casa. Como não há para ele um motivo claro pelo qual ele está sendo isolado ele poderá se tornar agressivo, arredio, medroso, e infeliz.

Resumindo: Se você quer ter um cão educado e feliz, que confie em você e em todos os membros da sua família, procure evitar que ele tenha a oportunidade de fazer alguma coisa que você não quer. Ensine o que você espera dele, recompensando-o pela atitude correta, ao invés de puni-lo pelas coisas erradas.

Tenha em mente que correção não quer dizer punição. Para corrigir o seu amigo não é preciso usar de violência física, e você tem que dar condições para o peludo acertar e para entender exatamente o que é que está sendo corrigido. A correção deve ser aplicada imediatamente, quando o cão está cometendo o erro, bem como a recompensa quando ele acerta. Quanto as alternativas da nossa pergunta sobre como corrigir um cachorro que tenta morder o dono, a resposta correta você já sabe. Que tal agora saber porque as alternativas sugeridas estão incorretas?

1- Bater no cachorro não vai funcionar para ensiná-lo a fazer qualquer coisa da forma correta. Pode servir para aliviar a frustração do dono (tem gente que é assim, vai fazer o que né?), pode servir para deixar o cachorro com medo de determinadas situações ou pessoas, e pode servir para deixar o cão como uma bomba relógio, prestes a explodir contra o indivíduo mais fraco da sua matilha humana. Lembre-se que um cachorro não bate em outro, por isso eles não entendem esta linguagem. Eles sentem a dor, mas acham que a pessoa que está batendo é covarde, pois a mão bate e se afasta. Um cachorro quando briga tenta imobilizar o outro, até ele se render. Ele tenta colocar o outro cachorro em uma posição submissa, de preferência que não possa se mover, e quando o outro foge ou se rende a briga acaba. A mãe do filhote normalmente usa uma mordida na nuca do bichinho. Os cães mais elevados socialmente mordem no focinho.

2 - Ignorar é uma correção bastante eficaz, especialmente quando a ação indesejada está diretamente associada à pessoa que passa a ignorar o cão (cachorro que late para chamar a atenção do dono, por exemplo), mas não dá para ignorar um cachorro que está te mordendo, certo? É perfeito para ser usado junto com o isolamento nos casos graves de agressividade e dominância sobre os donos.

3 - Deixar sem comer não é correção por si só. Um cachorro tem o organismo preparado para passar até alguns dias sem comer. Vale como técnica auxiliar de mudança comportamental para cães que não deixam seus tratadores entrarem nos canil (dar comida seria a recompensa por deixar o tratador entrar no canil), ou quando o cachorro rosna se alguém chegar perto do prato de comida, mas isso é só uma parte do treinamento.

4 - Deixar preso na corrente é uma coisa que nunca deve ser feita com um cachorro! Feito constantemente o cachorro pode enlouquecer, se tornando agressivo, medroso, anti-social. Quando se quer isolar um cachorro é preciso dar barreiras visíveis para ele. Quando preso em uma corrente ele não consegue associar a sua prisão à corrente. Ele vê você, mas não consegue se aproximar. Esta barreira invisível usada com freqüência faz com que ele enlouqueça gradualmente. NUNCA DEIXE SEU CACHORRO PRESO A UMA CORRENTE!

Pois é, no final de tudo nós queremos dizer que é preciso ter muita calma e sensibilidade para se ensinar um cão o que esperamos dele. Se no início sabemos que não é preciso, nem recomendado, que se use correções físicas com o bichinho toda vez que ele se errar, também sabemos que existe uma hora certa e apropriada para se ser um pouco mais duro com os peludos duros na queda. Uma vez que o cão já aprendeu corretamente o que se espera dele e ainda assim opta por não obedecer é preciso primeiro mudar a atitude do dono (alguma coisa diz ao cão que ele não precisa obedecer), e aí sim pode se ser um pouco mais físico com o cão – dar uns trancos, por exemplo - para corrigi-lo. Ainda assim é bom lembrar sempre que existem outras correções “morais” mais adequadas, e que para a maioria dos cães os métodos gentis e positivos ainda são a melhor maneira de treiná-los.


Todos os direitos reservados. Este artigo está registrado na Biblioteca Nacional e tem seus direitos autorais protegidos por lei. É permitida a sua reprodução desde que sejam colocados o nome da autora e a homepage origem.

voltar


© LordCão 2009